"Como é que explicamos que o Estado português não pode mandar na energia e o Estado chinês pode? Esta manobra é particularmente perigosa porque, controlando já o Estado chinês através de várias empresas a REN, aumentando o seu poder com a EDP, aumenta-se a dependência face a um Estado estrangeiro", disse a líder dos bloquistas.

Catarina Martins, que falava aos jornalistas à margem de uma reunião com agentes culturais sobre a criação da Rede de Teatros e Cineteatros que esta tarde decorreu no Rivoli Teatro Municipal, no Porto, disse que esta situação "prova a hipocrisia da legislação europeia".

"Os setores estratégicos da economia devem ter controlo público e nada prova mais a hipocrisia da legislação europeia do que o que está a acontecer com a EDP porque diz que Portugal não pode ser dono da sua própria energia, mas o estado chinês já pode", referiu, frisando que "os setores estratégicos da economia devem ser públicos".

"Foi um erro privatizar a energia. Aquilo em que devíamos estar a pensar agora é como é que a tornamos novamente pública", concluiu a líder do BE.

Os chineses da China Three Gorges anunciaram, na quinta-feira, a intenção de avançar com uma OPApara assumir o controlo da EDP, seis anos depois da entrada no capital da elétrica.

Entretanto, hoje a agência Bloomberg avançou que a EDP - Energias de Portugal prepara-se para rejeitar a OPA que a China Three Gorges anunciou que vai lançar, alegando que o valor proposto é baixo.

A China Three Gorges, fundada em 1993, para construir e administrar o maior projeto hidroelétrico do mundo, no centro da China, é tutelada diretamente pelo Governo chinês, à semelhança da maioria das principais empresas do país.

No seu portal oficial, a China Three Gorges apresenta-se como a "maior construtora de centrais hidroelétricas do mundo e o grupo líder chinês em energias limpas".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.