Em comunicado conjunto, as autoridades nacionais evolvidas nesta operação explicam que a “Thunder 2021” permitiu fiscalizar 1.516 animais e levou à emissão de 28 autos de contraordenação e nove autos de notícia.

A operação, que decorreu durante o mês de outubro, permitiu deter três pessoas em território nacional e apreender 1.549 aves, entre as quais pintassilgos, bicos-de-lacre, tecelões de cabeça amarela, pardais-de-Java e tentilhões.

Segundo o comunicado conjunto da GNR, PSP, Autoridade Tributária Aduaneira (AT), Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) e Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), foram ainda apreendidos quatro cavalos-marinhos, três crânios de crocodilos, quatro corais brancos, uma concha rainha, duas mandíbulas de raia-viola e uma iguana.

As autoridades apreenderam ainda 100 catos e 100 plantas de Jade.

Na nota, as autoridades explicam que durante a operação foram realizadas diversas ações de investigação e de fiscalização “para combater o comércio ilegal de vida selvagem e os crimes conexos praticados especialmente sobre a fauna e flora”.

Mais de 180 países estiveram envolvidos nas diversas ações desenvolvidas durante a operação, que teve como objetivo “assegurar que o comércio de animais e plantas não coloque em risco a sua sobrevivência no estado selvagem”, acrescentam.

Em Portugal foram desenvolvidas mais de duas dezenas de ações de investigação e/ou fiscalização, especialmente no âmbito da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção, também conhecida como Convenção de Washington ou CITES.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.