De acordo com um estudo que durou três anos, a quantidade de exemplares deste animal caiu 30% nos últimos 200 anos, "de 300 mil para cerca de 200 mil", disse Richard Kingsford, diretor do Centro de Ciência do Ecossistema da Universidade de Nova Gales do Sul.

"Estamos muito preocupados com a sobrevivência desta espécie única", afirmou.

Entre as ameaças para os habitats do ornitorrinco na Austrália estão o aumento do desmatamento de terras para a agricultura, a poluição, a construção de represas e as redes de pesca, destacou Kingsford.

O investigador e a sua equipa pediram às autoridades que aumentem a proteção do ornitorrinco, passando do nível de quase ameaçado para vulnerável.

Os cientistas apontaram que, apesar do tamanho da população variar entre as regiões da Austrália, os ornitorrincos já desapareceram nalguns pontos.

"O mundo não pode permitir, muito menos a Austrália, a extinção deste animal. E sabemos que em algumas áreas já está extinto", disse Kingsford ao canal ABC.

O ornitorrinco, um animal semiaquático, e quatro espécies de equidnas, são os únicos mamíferos que colocam ovos. É um dos animais mais raros do mundo, com seu bico de pato, cauda de castor, patas de lontra e um esporão venenoso nas patas traseiras.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.