"Uno-me a todos os que aceitaram esse chamado e convido todos a segui-lo, interrompendo qualquer forma de hostilidade bélica, favorecendo a criação de corredores para ajuda humanitária, abrindo a diplomacia e a atenção àqueles que estão em situação de maior vulnerabilidade", disse Francisco.

O Papa argentino desejou que "o esforço conjunto contra a pandemia possa levar todos a reconhecer” a necessidade de “fortalecer os laços fraternos como membros de uma família humana".

E que isso, segundo Francisco, desperte nos "líderes das nações e outras partes interessadas um compromisso renovado para superar a rivalidade".

"Os conflitos não são resolvidos através da guerra! É necessário superar antagonismos e contrastes, através do diálogo e de uma busca construtiva pela paz", acrescentou o Papa.

Mais cedo hoje, tanto a ONU como a União Europeia apelaram a um cessar-fogo na Síria com o objetivo de combater a pandemia da covid-19.

A oração do Angelus é celebrada há três semanas na biblioteca do Palácio Apostólico e é transmitida ao vivo pelos canais do Vaticano, desde que a Praça de São Pedro foi encerrada devido à pandemia da covid-19.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 640 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 30.000.

Dos casos de infeção, pelo menos 130.600 são considerados curados.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.