“Continuem a estar perto dos que muitas vezes ficam de fora, dos pequenos e dos pobres, dos prisioneiros e dos migrantes”, aconselhou o Papa, que no sábado esteve com 80 migrantes num centro humanitário da Cáritas.

De acordo com a agência francesa AFP, na catedral de Rabat, rodeada por um sistema de segurança impermeável, o papa explicou às pequenas comunidades cristãs que o importante não era ser numeroso, mas ilustrar muito concretamente os ensinamentos da Igreja.

Na conversa com a comunidade cristã, Francisco defendeu que “os caminhos da missão não passam pelo proselitismo, que leva sempre a um beco sem saída”, e apontou que “a Igreja cresce não pelo proselitismo, mas pelo testemunho”.

A insistência do papa na questão do proselitismo, ou seja, a tentativa de convencer alguém a mudar de religião, assume uma importância particular num país onde o proselitismo ativo entre os muçulmanos marroquinos pode implicar uma pena de até três anos de prisão.

Os muçulmanos têm, no entanto, o direito de se converterem a outra religião se essa for a sua própria escolha, o que mostra uma diferença significativa face a outros países, com os Emirados Árabes Unidos, onde a conversão está sujeita a pena de morte, de acordo com a AFP.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.