Depois de terminada a audiência-geral, o Papa Francisco cumprimentou várias pessoas, entre elas Lidia Maksymowicz, sobrevivente do Holocausto. A mulher foi deportada para o campo de concentração de Auschwitz-Birkenau quando tinha apenas três anos.

Quando o Papa chegou perto e depois de se cumprimentarem, Lidia mostrou ao Papa o lenço às riscas azuis e brancas que trazia ao pescoço — simbolizando os uniformes destes prisioneiros no campo — e levantou a manga da camisa, de forma a mostrar a tatuagem com o seu número do campo de concentração. De forma inesperada, Francisco beijou o braço da mulher.

As imagens em vídeo mostram que Lidia Maksymowicz ficou comovida com o gesto e abraçou o Papa, oferecendo-lhe posteriormente o lenço.

De acordo com a Rádio Renascença, a mulher recordou junto do Papa o terror em que se vivia no "bloco das crianças" em Auschwitz-Birkenau. Lidia foi uma das submetidas às experiências do médico Josef Mengele, conhecido como o "Anjo da Morte de Auschwitz".

A sobrevivente do campo de concentração, agora com 80 anos, estará em Itália a propósito do recente lançamento do documentário "70072, a menina que não sabia odiar".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.