No debate da moção de censura do CDS ao Governo, no parlamento, António Costa respondeu ao desafio feito minutos antes pela líder centrista: “Se quer ajuda para governar, então troquemos e veremos qual é a diferença”.

A resposta de António Costa foi curta e disse: “Já vimos”.

“Já vimos”, foi repetindo, porque, se o governo PSD/CDS tivesse continuado, os funcionários públicos teriam de ter esperado por 2019 pela reposição de salários, enquanto com o executivo socialista isso aconteceu em 2017 e 2018.

E também teriam de esperar por este ano pelo fim da sobretaxa de IRS, eliminada pelos socialistas desde 2017.

“Era o que teria acontecido se estivesse no meu lugar”, concluiu.

Costa apontou ainda uma incoerência à presidente dos centristas, que hoje apareceu, na sua descrição, “a dizer, ufana”, que “quer mesmo a queda do Governo e eleições”, juntando europeias e legislativas, quando não o disse no momento em que se discutiu a questão.

O primeiro-ministro citou até Cristas quando disse, à saída de uma audiência com o Presidente da República, que não fazia questão da data.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.