"O PCP rejeita o programa ontem [quarta-feira] anunciado. Exigimos a suspensão dos concursos já lançados ou a lançar, a paragem da alienação de bens patrimoniais do Estado, nomeadamente o património classificado e a sua entrega a gestões privadas", disse em comunicado hoje o PCP sobre o anúncio do Governo que pretende concessionar a privados 30 monumentos históricos.

Os comunistas pedem assim "o início de um debate alargado sobre o património cultural, a sua recuperação e utilização, que culmine com a aprovação e implementação de um Programa Nacional de Emergência para o Património Cultural", reiterando que "a política do património não pode estar sujeita ou subordinada ao ‘mercado' e à política de turismo.

O PCP propõe uma política para o património que intensifique a ligação cultural entre as populações e o património".

"Inaceitável", é desta forma curta e direta que, sucintamente, o PCP classifica a iniciativa do executivo de António Costa de alienar, "por um período que pode ir até 50 anos, um conjunto de monumentos, património cultural" (...) "a grupos privados para montarem o seu negócio, em detrimento da plena fruição pública".

Parta da história do comunismo em Portugal fica em causa

"Pelo simbolismo que encerra, não podemos deixar de criticar de forma veemente o facto de o Governo ter colocado nesta lista a Fortaleza de Peniche, ignorando a importância histórica e cultural de um espaço onde não é possível conciliar a atividade hoteleira e turística com a necessidade de preservar integralmente as suas características prisionais históricas".

Os responsáveis do PCP referem-se a uma das prisões do Estado Novo de onde se conseguiram evadir diversos militantes, entre eles o histórico secretário-geral Álvaro Cunhal, protagonizando um dos episódios mais marcantes do combate àquele regime ditatorial.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.