Estas críticas foram proferidas pelo vice-presidente da bancada socialista Pedro Delgado Alves, após o líder do Grupo Parlamentar do PSD, Hugo Soares, ter anunciado que desistia de requerer um debate de urgência da Comissão Permanente da Assembleia da República sobre a lista de vítimas do incêndio de Pedrogão Grande em junho passado.

"Ao desistir da conferência de líderes [prevista para hoje às 16:00] e de uma reunião da Comissão Permanente, ficou clara qual era a real intenção do PSD. Pela parte do PSD, mas também do CDS-PP, ficou clara a mera intenção de procurar criar um incidente, sem qualquer respeito pelas vítimas e pelas instituições do Estado de Direito", acusou o dirigente socialista.

Perante os jornalistas, Pedro Delgado Alves considerou que, "ao longo dos últimos dois ou três dias, em relação a um assunto que é particularmente transparente", o referente ao número de vítimas resultante do incêndio de Pedrógão Grande, "o PSD e o CDS-PP têm tentado criar um clima de especulação em torno de uma grande tragédia nacional, procurando marcar pontos politicamente".

"É inaceitável que, perante uma tragédia da qual resultaram 64 mortos e um número significativo de feridos, que causou prejuízos materiais elevados, se procure fazer um aproveitamento político", criticou o vice-presidente da bancada do PS.

Segundo Pedro Delgado Alves, na terça-feira, na sequência da divulgação da lista de vítima da tragédia pela Procuradoria-Geral da República, "ficou clara a identificação de todas as pessoas que infelizmente perderam a vida".

BE também tece críticas 

“Assistimos à politização de algo que deveria ser mantido para lá dos partidos políticos – o número de vítimas da tragédia e a lista dessas vítimas”, afirmou o líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, no parlamento, após o PSD ter desistido de um debate em Comissão Permanente da Assembleia da República.

Pedro Filipe Soares acusou o PSD de “aproveitamento político” nos últimos dias em torno da divulgação da lista de mortos nos incêndios de Pedrógão, em junho.

Para o líder parlamentar bloquista, com a divulgação da lista, na terça-feira, a Procuradoria-Geral da República (PGR) foi eliminada “qualquer ideia de falta de transparência, de tentativa de esconder a informação”.

O BE acusou o PSD de querer “instrumentalizar para o jogo partidário e político aquilo que nunca deveria entrar neste espaço”, o número de vítimas.

Passado este “’fait divers’ e este jogo político do PSD”, o Bloco insiste que o necessário é centrar as atenções “no essencial”.

“Temos ainda fogos no país, toda a atenção e toda a energia deve ser centrada para que mais rapidamente possível, as notícias possam ser sobre o fim dos incêndios e que não há mais populações em perigo”, afirmou.

O PSD desistiu hoje do debate em Comissão Permanente, que tinha proposto na terça-feira depois de ter dado 24 horas para o Governo divulgar a lista de mortos nos incêndios de Pedrógão Grande, em junho.

Na terça-feira, a Procuradoria-Geral da República confirmou, em comunicado, que se registaram, "até ao momento", 64 vítimas mortais nos incêndios de Pedrógão Grande, e divulgou a respetiva lista.

Hoje, o líder parlamentar social-democrata, Hugo Soares, anunciou que o partido desistira de pedir o debate.

[Notícia atualizada às 14h01]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.