De acordo com o ministro, Remy Danjuinou, cinco dos extremistas morreram junto à Embaixada e os restantes três perto do quartel militar.

O responsável do governo acrescentou que o número de mortos pode subir, atendendo ao elevado número de soldados com ferimentos graves.

Outras “fontes de segurança”, citadas pela agência francesa AFP, apontam já um número de mortos mais elevado, 28, e 85 feridos.

Durante a manhã, um grupo de homens armados atacou a zona diplomática e as instalações militares da capital do Burkina Faso, causando vários incêndios e envolvendo-se me confrontos com as forças de segurança.

Na zona diplomática onde ocorreu o ataque, encontram-se vários Ministérios (como Negócios Estrangeiros e Economia) e Embaixadas (França, Bélgica e Dinamarca).

Por considerar que se tratava de uma “possível tentativa de homicídio terrorista”, a secção antiterrorista da Procuradoria francesa abriu hoje um inquérito ao ataque, disse o embaixador francês à agência AFP.

Segundo o primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, o principal alvo deste ataque era a Embaixada do seu país.

“Até a zona estar totalmente segura, é impossível saber as circuntâncias ou o alcance do ataque”, disse o líder do governo aos órgãos de comunicação social.

Em comunicado, o chefe da diplomacia, Jean-Yves Le Drian, revelou que a equipa de segurança da Embaixada está a trabalhar com as forças locais para “reduzir a ameaça”.

Vítima regular de atentados às suas embaixadas em África, França reforçou hoje a segurança das suas instalações na região, num trabalho que envolve a polícia e a elite da guarda militar.

Desde o início do século, e essencialmente desde o início da Operação Serval no Mali em 2013, vários grupos ‘jihadistas’ tentam atingir os interesses franceses na faixa do Sahel e na África Ocidental.

A Operação Serval é uma intervenção militar no Mali começada a janeiro de 2013 por forças francesas com o apoio de outros países e foi lançada com o objetivo de travar o avanço de várias organizações extremistas islâmicas associadas a Al-Qaeda.

Nos últimos anos, a capital do Burkina Faso foi alvo frequente de vários atentados de autoria ‘jihadista’, apontados a lugares representativos do Estado (como escolas e esquadras) ou frequentados por ocidentais.

De acordo com os dados mais recentes do Governo burquinabês, até à data de hoje tinham morrido mais de 70 pessoas desde 2015 devido a ataques promovidos por grupos ‘jihadistas’.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.