Apesar de sublinhar que o arguido atuou com "dolo direto", o tribunal optou por lhe suspender a pena, dada a ausência de antecedentes criminais e a sua inserção social, familiar e profissional.

A suspensão fica sujeita a regime de prova.

Em tribunal, o arguido, um jardineiro de 42 anos "com limitações ao nível da compreensão", negou a prática dos factos.

O caso remonta a 24 de setembro de 2017, na casa de banho pública do Parque das Comunidades, no centro da cidade de Fafe.

A mãe, estranhando a demora, começou a chamar insistentemente pelo filho, levando a que o agressor o libertasse.

O homem foi detido pela Polícia Judiciária, que nessa altura, em comunicado, denunciou que a criança foi constrangida "à prática de atos sexuais de relevo, conduta que foi interrompida pela pronta intervenção de familiares".

Aguardou julgamento em prisão domiciliária e foi hoje condenado pelo crime de coação sexual agravado.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.