O porta-voz do Departamento de Defesa norte-americano, o Pentágono, John Kirby, disse em conferência de imprensa que “claramente” o ataque russo contra a central nuclear foi violento.

Acrescentou que o Pentágono não pode contestar as informações que indicam que a Rússia tomou o controlo de Zaporizhzhia.

“No que diz respeito às condições ali, o conhecimento que temos não é perfeito, mas achamos que não houve nenhuma fuga de material radioativo”, disse Kirby, segundo a EFE.

O porta-voz fez estas declarações depois de a agência nuclear das Nações Unidas ter dito que o ataque à central nuclear não provocou fugas radioativas, apesar de um edifício ter chegado a incendiar-se durante a investida russa.

O responsável norte-americano disse que, se a situação tivesse evoluído de outra maneira, poderia ter havido “muito mais estragos e destruição para as pessoas da Ucrânia, assim como para os países vizinhos”.

Noutra conferência de imprensa, a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, disse que o ataque russo contra a central nuclear foi “o cúmulo da irresponsabilidade” e instou o Kremlin a “cessar as suas operações em torno da infraestrutura nuclear” na Ucrânia.

Na ONU, os EUA acusaram hoje a Rússia de pôr em perigo a Europa com o seu “imprudente” ataque a Zaporizhzhia e exigiram a Moscovo garantias de que não voltará a acontecer um episódio semelhante.

A Ucrânia acusou hoje a Rússia de “terror nuclear”, após um ataque noturno à central de Zaporizhzhia, que levantou receios de uma catástrofe e motivou a uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU.

Na madrugada de hoje, os bombeiros ucranianos já tinham conseguido extinguir o incêndio junto às instalações da maior central nuclear da Europa, causado por bombardeamentos russos.

A comunidade internacional demorou pouco tempo a reagir, mostrando-se muito preocupada com a possibilidade de um acidente nuclear na Ucrânia, sob ataque russo.

“Sobrevivemos a uma noite que poderia ter posto fim à História da Ucrânia, à História da Europa. Foi um ato de terror nuclear”, disse o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Grossi, disse de imediato estar disponível para ir à Ucrânia negociar uma solução que garanta a segurança das instalações nucleares ameaçadas pela guerra.

Também a China se declarou “seriamente preocupada com a segurança” das instalações nucleares na Ucrânia, enquanto o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel advertia que “a segurança e proteção nuclear não podem ser colocadas em perigo por ataques indiscriminados”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.