com o apoio MEO
Adere à fibra do MEO desde €29,99/mês. Exclusivo Online.

Buscas no Estádio do Dragão. Ministério Público e PSP investigam SAD do FC Porto devido a contratos televisivos e de jogadores

As autoridades encontram-se no Estádio do Dragão a mando do Ministério Público e da Autoridade Tributária para investigar a SAD do FC Porto, dirigentes portistas e vários empresários com ligações ao clube. Em causa estão suspeitas na contratação de jogadores e contratos de transmissão de jogos de futebol.
Buscas no Estádio do Dragão. Ministério Público e PSP investigam SAD do FC Porto devido a contratos televisivos e de jogadores

A RTP avança que estão a ser feitas buscas no Estádio do Dragão, informação também avançada pela revista Sábado e confirmada à Lusa por fonte policial.

Segundo a Sábado, o Ministério Público está a fazer buscas à sede da SAD do FC Porto e às casas de vários empresários ligados ao clube, como Pedro Pinho e Alexandre Pinto da Costa, filho do presidente do FC Porto, Jorge Nuno Pinto da Costa.

Estão a ser investigados crimes de fraude, abuso de confiança e branqueamento de capitais ligados a contratos de transmissão dos jogos do FC Porto com a antiga Portugal Telecom (agora Altice) e com a assinatura de contratos de vários jogadores.

Um desses negócios investigados é o da compra e venda de Éder Militão, jogador brasileiro que esteve no clube na época 2018-19, tendo sido comprado ao São Paulo e vendido ao Real Madrid.

A SIC refere que a investigação está a ser conduzida pelo procurador Rosário Teixeira e pelo inspetor tributário Paulo Silva, consistindo a operação de hoje em 30 buscas domiciliárias e não domiciliárias.

Em causa, adianta a Sábado, está a segunda parte da Operação Cartão Vermelho, mas a fonte da Lusa indica que este inquérito é um processo autónomo desse caso, no qual no último verão o MP investigou crimes económicos relacionados com o ex-presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, que chegou a ser detido. Essas diligências incluíram também o filho, Tiago Vieira, e os empresários José Manuel dos Santos e Bruno Macedo.

A Sábado já tinha adiantado, no início de novembro, que existem suspeitas de que o Alexandre Pinto da Costa terá recebido do empresário Pedro Pinho 2,5 milhões de euros, por ter sido intermediário nas negociações com a Portugal Telecom.

Recorde-se que a primeira fase da investigação Cartão Vermelho visou o ex-presidente do Sport Lisboa e Benfica, Luís Filipe Vieira, José António dos Santos — conhecido por 'Rei dos Frangos', fundador do Grupo Valouro-Avibom e maior acionista individual da SAD do Benfica (com 16%) —, Tiago Vieira, filho de Luís Filipe Vieira, e o agente de futebol e advogado Bruno Macedo.

A investigação envolve negócios com prejuízos para o Estado, SAD do clube e Novo Banco.

Segundo documentos relativos à investigação do Ministério Público, a que a agência Lusa teve acesso, Vieira terá prejudicado o Novo Banco em cerca de 82 milhões de euros e ter-se-á apropriado de cerca de oito milhões de euros de uma empresa sua — a Imosteps - que vieram mais tarde a ser compensados pelo Fundo de Resolução ao Novo Banco.

Segundo a imprensa, o empresário José António dos Santos e Tiago Vieira são apontados na investigação como cúmplices de Luís Filipe Vieira no esquema montado.

O Ministério Público diz ainda que o gestor Vítor Fernandes deu a Luís Filipe Vieira informação privilegiada quando era administrador do Novo Banco. Contudo, não é arguido nem lhe são apontados ilícitos. Vítor Fernandes estava indicado pelo Governo para 'chairman' do Banco de Fomento, mas nomeação foi suspensa após esta polémica.

[Notícia atualizada às 13:38]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.

Veja também

 
 
 

Comentários

Entre com a sua conta do Facebook ou registe-se para ver e comentar
mookie1 gd1.mookie1