Um grupo de especialistas desativou os dois artefactos, descobertos por um guarda na escola Wah Yan College, no bairro financeiro de Wan Chai.

"As bombas estavam concluídas e poderiam funcionar perfeitamente" se fossem ativadas, disse à imprensa Alick McWhirter, o oficial encarregado da desativação.

Segundo McWhirter, os dois artefactos continham, no total, 10 quilos de potentes explosivos e poderiam ser ativados com um telemóvel.

As bombas, com nitrato de amónio, tinham pregos para provocar mais danos.

"Estes dois dispositivos tinham apenas um objetivo: matar e mutilar pessoas", disse McWhirter.

Segundo a polícia, o colégio provavelmente não era o alvo, sendo apenas o local de esconderijo das bombas.

A onda de protestos em Hong Kong já dura seis meses, mas nas três últimas semanas houve uma redução dos confrontos entre a polícia e os ativistas pró-democracia.

No domingo, uma grande manifestação aconteceu sem incidentes.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.