Uma multidão de manifestantes, vestidos de negro e dos quais muitos tinham a cara tapada – o que é proibido pelas autoridades -, desfilou no bairro comercial de Causeway Bay e iniciou confrontos com a polícia antimotins, que os dispersou e fez múltiplas detenções.

A polícia lançou gás lacrimogéneo e canhões de água contra os manifestantes, que bloquearam ruas, construíram barricadas e vandalizaram lojas e partiram os vidros do escritório da agência de notícias chinesa Nova China.

Na véspera, a China lançou um novo aviso, advertindo que não toleraria “qualquer atividade” que divida o país ou ameace a segurança nacional.

Pequim quer “fortalecer a consciência nacional e o patriotismo” em Hong Kong “através da educação na história e na cultura chinesas”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.