De acordo com uma adenda à agenda do chefe de Estado, a declaração está marcada para as 18:00, no Palácio de Belém.

Na página da Assembleia da República não consta ainda informação sobre o envio do diploma para promulgação.

De acordo com a Constituição, o chefe de Estado dispõe de um prazo de 20 dias, contados da receção de qualquer decreto da Assembleia da República, para promulgar o diploma ou exercer o seu direito de veto.

O Presidente da República pode ainda, se o desejar, requerer a apreciação preventiva da constitucionalidade do diploma, para o qual tem um prazo de oito dias a contar da data da receção.

O Orçamento do Estado para 2017 foi aprovado em votação final global a 29 de novembro, com os votos favoráveis do PS, BE, PCP, PEV e PAN e os votos contra do PSD e do CDS-PP.

No anterior exercício orçamental, o Presidente da República esperou apenas quatro dias entre a receção do diploma – 24 de março – e a sua promulgação, que aconteceu a 28 de março, dia em que o chefe de Estado falou ao país a meio da tarde.

Nessa comunicação, Marcelo Rebelo de Sousa explicou que promulgou o Orçamento do Estado para 2016 sem dúvidas de constitucionalidade, e classificou-o como "uma solução de compromisso" entre Governo e instituições europeias.

"A solução a que se chega é uma solução de compromisso. É no quadro dessa solução de compromisso que eu tomei a decisão de promulgar e promulguei há pouco o Orçamento", justificou então, numa declaração em que disse não haver certezas em relação às previsões inscritas no diploma e na qual pediu ao Governo rigor na execução orçamental.

A proposta de OE foi entregue pelo Governo socialista na Assembleia da República em 14 de outubro, seguindo-se a discussão e votação na generalidade, em 03 e 04 de novembro. PS, BE, PCP e PEV aprovaram o documento, com votos contra de PSD e CDS-PP e a abstenção do PAN.

Entre a votação na generalidade e a votação final global, o PAN alterou a sua posição de abstenção para voto favorável.

Entre as principais medidas do OE2017, previstas na proposta inicial e nas alterações aprovadas, está o fim da sobretaxa de IRS para o segundo escalão de rendimentos, o aumento de pensões até 628,83 euros e os novos impostos sobre os refrigerantes e sobre o património imobiliário de elevado valor.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.