“Falou-se muito de Portugal, falou-se muito de Portugal na Europa e em África e até na ligação à América Latina”, disse Marcelo aos jornalistas portugueses após o jantar.

“E falou-se muito bem e muito do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres”, acrescentou.

Segundo o Presidente, o clima no jantar, realizado no Museu do Quay d’Orsay, foi de “celebrar a paz e não a guerra” e pautou-se por “uma distensão” que “não faria imaginar, entre aqueles que ali estão, muitas das posições duras que de vez em quando têm, no dia a dia”.

“Hoje não havia isso e espero que amanhã também não haja”, afirmou, referindo-se às cerimónias que vão assinalar os 100 anos do fim da I Guerra Mundial e ao Fórum da Paz.

Entre os presentes no jantar estava o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que já anunciou que não participa no Fórum, com quem o Presidente português disse ter tido “oportunidade de trocar algumas palavras”.

Marcelo escusou-se a dizer sobre o que falaram, referindo apenas que “o clima foi tão bom como tinha sido em Washington”, quando visitou a Casa Branca e se reuniu com Trump, no final de junho.

Questionado sobre se convidou Trump a visitar Portugal, o Presidente disse apenas: “Vamos ver, havemos de falar disso um dia”.

Marcelo Rebelo de Sousa está em Paris para participar nas comemorações do centenário do Armistício.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.