"Nem a Holanda, nem a Bélgica parecem ter entendido o que os jihadistas representam", disse Erdogan segundo o trecho de uma entrevista que será divulgada nesta quinta-feira.

"Convocámos a adoção de uma posição comum contra o terrorismo, e muitos países europeus não deram a este apelo a importância que merece", explicou o dirigente turco. "Os países ocidentais ignoraram-nos. Não responderam às nossas expectativas em matéria de troca de informação de inteligência", acrescentou.

As autoridades belgas foram acusadas de neglicência na luta contra o terrorismo, depois dos atentados de 22 de março, em Bruxelas, que deixaram 32 mortos e 340 feridos.

O governo turco critica especialmente a Bélgica por ter ignorado as informações que transmitiu sobre o perfil do "combatente terrorista" Ibrahim el Bakraoui, que detonou os explosivos no aeroporto de Bruxelas e que tinha sido preso anteriormente por Ancara perto da fronteira síria.

No dia em que os turcos o expulsaram para Amsterdão, em julho de 2015, as autoridades de Ancara avisaram as embaixadas belga e holandesa. Nenhum serviço de segurança esperou El Bakraoui à sua chegada à Europa e ele desapareceu dos radares.

Segundo o governo holandês, El Bakraoui pode ter entrado no país porque não estava na lista de pessoas suspeitas e não era conhecido pelas autoridades.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.