Desde janeiro, o índice de produtibilidade hidroelétrica anual situou-se em 1,17, enquanto o índice de produtibilidade eólica registou 1,03, ambos acima da média histórica (1).

Entre janeiro e julho, a produção renovável abasteceu cerca de 57% do consumo, dos quais 27% de energia hidroelétrica, 23% de eólica, 5% de biomassa e 1,5% de fotovoltaica.

Por sua vez, no mesmo período, a produção não renovável abasteceu os restantes 43% do consumo, repartido pelo gás natural (25%) e pelo carvão (18%).

Segundo a REN, o saldo de trocas com o estrangeiro foi exportador, equivalendo a 7% do consumo nacional.

Em julho, o efeito das temperaturas “abaixo dos valores normais para esta altura do ano”, levou o consumo de energia elétrica a registar uma evolução homóloga “negativa”, com menos 0,8%.

No final do mesmo mês, a variação acumulada anual situou-se em 2,9%.

Já o mercado de gás natural continuou a registar “uma tendência de redução do consumo”, devido à quebra no segmento de produção de energia elétrica.

Nos primeiros sete meses do ano, o consumo de gás natural registou uma variação de menos 7,6%, em comparação com o mesmo período do ano anterior, potenciada por uma contração de 28% no mercado elétrico.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.