Os manifestantes colocaram várias faixas onde se lia: "Reponham a estátua para integridade da fachada" e "esta fachada é património público".

A estátua do rei foi danificada em maio de 2016, quando um turista tentou fotografar-se junto dela, e esta com cerca de 130 anos, cedeu e partiu-se.

Os manifestantes, entre eles, artistas plásticos e personalidades ligadas à cultura, propõem a reposição na fachada de uma réplica da escultura da autoria de José Simões de Almeida (tio).

Segundo os manifestantes há uma réplica da estátua no Instituto de Oftalmologia Dr. Gama Pinto, também em Lisboa, e colocam também a hipótese de uma nova estátua, a partir dos moldes originais que se encontram no Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado.

"Esta é uma prática comum na defesa do património, disso são exemplos a estátua de Eça de Queirós, no Largo Barão de Quintela, ou a célebre estátua de David, de Michelangelo, em Florença,[em Itália]", afirmou um dos manifestrantes.

"A empresa Infraestruturas de Portugal e a CP continuam sem resolver este assunto, permanecendo o nicho central vergonhosamente vazio. Tal revela a desvalorização que estas empresas públicas, ou as suas lideranças, que deveriam servir o interesse público, têm pelo património cultural de todos nós", disse à Agência Lusa o artista Rui Mourão.

Uma petição "on-line", que conta com 302 assinaturas exige à Infraestruturas que "na fachada da estação de comboios do Rossio recentemente restaurada seja reposta uma réplica da estátua de D. Sebastião e que se musealizem os restos da estátua partida, cuja recuperação não permite (segundo a própria empresa) remontar a estátua de novo na fachada".

A petição, que deverá ser entregue ao presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e ao presidente da Infraestruturas de Portugal, António Naranjo, está disponível em https://peticaopublica.com/mobile/pview.aspx?pi=PT93891 .

A estação do Rossio foi inaugurada a 11 de junho de 1890, e está classificada como "Imóvel de Interesse Público" desde 1973 e como "património cultural" pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), "sendo considerada como uma das mais belas estações do mundo, agora amputada do seu elemento artístico principal", disse Mourão.

Como "estação central de Lisboa", a gare do Rossio foi terminal de vários comboios nacionais e internacionais de passageiros, designadamente o "Sud Express".

O escultor José Simões de Almeida (tio), autor da estátua, viveu entre 1844 e 1926, foi professor da Escola de Belas-Artes de Lisboa, e é também o autor da escultura "Vitória" no obelisco da vizinha praça dos Restauradores, e entre outras, do Cristo existente na capela do Mosteiro dos Jerónimos, onde se encontra o túmulo de Alexandre Herculano, também na capital.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.