"A nossa posição é clara e já a comunicámos ao Governo: é uma posição desfavorável à escolha de Mário Centeno: é uma escolha desaconselhável, não traz clareza nem reforça solidez do sistema, é uma escolha que não faríamos e com que não concordamos", afirmou o vice-presidente do PSD Nuno Morais Sarmento, em conferência de imprensa na sede nacional no partido.

No entanto, o PSD considera que o atual quadro legal permite ao Governo escolher o ex-ministro das Finanças para esse cargo e não apoiará uma lei que pretenda travar o atual processo.

"É uma escolha que o Governo não deve fazer, mas que no quadro da lei pode fazer", disse.

Depois de ter votado a favor na generalidade um diploma do PAN que impõe um período de nojo de cinco anos entre cargos governativos e a liderança do banco central, o PSD coloca duas condições para manter esse sentido de voto: que esse período seja encurtado para dois anos e que só se aplique para processos futuros.

"Não somos favoráveis à justiça legislativa revolucionária que se traduz em leis 'ad hominem', como se pretende em iniciativas legislativas que se destinam a impedir a concreta escolha do professor Mário Centeno, que visam não mudar as regras a meio do jogo, mas no fim do jogo", criticou.

Em conferência de imprensa na sede nacional do PSD, Morais Sarmento criticou ainda as “sucessivas referências indiferenciadas” que têm sido feitas ao histórico de nomeações para o Banco de Portugal, incluindo - “pasme-se” - as que foram feiras feitas em período da ditadura.

“Sem comprometer o PSD naquilo que vou dizer agora, para mim de todas as declarações que foram feitas a mais incompreensível é a do Presidente da República. Esta é uma questão política, mas também jurídica, o Presidente da República é também um insigne mestre de Direito. É para mim absolutamente incompreensível como é que, apenas por razões políticas, faça tábua rasa da existência de regimes absolutamente distintos antes e depois de 1998”, criticou Sarmento.

O vice-presidente do PSD chegou até a falar em “gaffe” e “referência infeliz” do chefe de Estado quando incluiu as nomeações para o Banco de Portugal feitas durante a ditadura.

“Completamente incompreensível, só se for por razões de facilitação política”, disse, quando questionado sobre o significado político que atribui a estas declarações.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, tem afirmado que não vê nenhum problema na passagem direta do ex-ministro Mário Centeno para governador do banco central.

"Eu já tinha dito que não via problema naquilo que se passou na nossa monarquia, na I República, na ditadura e em democracia, não uma vez, mas talvez duas dúzias de vezes, que foi membros do Governo do Ministério das Finanças, ministros ou secretários de Estado, passarem a governadores do Banco de Portugal", referiu o chefe de Estado.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.