Numa conferência de imprensa em que também pediu o reconhecimento internacional da soberania da Rússia sobre a Crimeia, península ucraniana que Moscovo anexou em 2014, Putin disse que tudo dependerá do desenvolvimento dos acontecimentos e da “situação no terreno”.

O Presidente russo, que falava depois de autorizado pelo Senado a enviar tropas russas para fora do país, afirmou que os combates na zona de conflito “continuam” e tendem a agravar-se.

“Não disse que as tropas vão para lá agora, já a seguir”, disse o líder russo aos jornalistas, acrescentando que neste momento é “impossível” prever o que vai acontecer e tudo dependerá da “situação concreta no terreno”.

O líder russo insistiu que Moscovo reconheceu a independência das autoproclamadas repúblicas separatistas de Donetsk e Lugansk devido à recusa de Kiev em cumprir os acordos de Minsk sobre a resolução pacífica do conflito na região.

“Os acordos de Minsk morreram muito antes do reconhecimento das repúblicas de Donbass”, disse Putin, afirmando que “os acordos deixaram de existir”.

A este respeito, lamentou que a Europa não possa influenciar Kiev a cumprir os seus compromissos no âmbito dos acordos.

Putin defendeu também que a anexação, em 2014, pela Rússia da Península da Crimeia deve ser reconhecida internacionalmente como um reflexo legítimo da escolha da população local, comparando-a ao referendo pela independência do Kosovo.

A anexação foi amplamente condenada pelas potências ocidentais como uma violação do direito internacional.

Para pôr fim à atual crise, o Presidente russo insistiu na renúncia à possibilidade de a Ucrânia vir a integrar a NATO, dizendo que este país deveria assumir um “estatuto neutro”, e que o Ocidente deve deixar de enviar armamento para Kiev.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.