A decisão da Transport for London (TfL), empresa que gere os transportes públicos em Londres, é uma resposta, segundo os meios de comunicação, à preocupação suscitada pelas políticas do Qatar em relação à comunidade LGBT e ao tratamento dado aos trabalhadores migrantes, refere a EFE.

Segundo esta informação, Doha ter-se-ia revoltado com a decisão, num momento em que é alvo de críticas como anfitrião do Mundial de Futebol.

Uma fonte do Qatar disse ao Financial Times que o TfL entrou em contacto, esta semana, com o Q22 – órgão que coordena o Mundial de Futebol – e a autoridade de turismo do Qatar para informar sobre a proibição.

Depois disso, Doha lançou “uma revisão aos seus investimentos atuais e futuros em Londres”, cidade onde é um dos maiores investidores através do seu fundo soberano.

A mesma fonte acrescentou que o Qatar pensa agora em transferir o seu dinheiro para outras cidades britânicas e outros países, tendo em conta que a mensagem que Londres passou é que as empresas do Qatar não são bem-vindas na capital.

Em 2019, o presidente da câmara de Londres, o trabalhista Sadiq Khan, pediu à TfL que examinasse a publicidade e patrocínios que recebe de países com leis anti-LGBT, o que levou à suspensão de novos acordos com 11 países, entre os quais o Qatar, Paquistão e Arábia Saudita.

A TfL admitiu que “alguns anúncios” daqueles países ainda estavam a ser exibidos na rede de transportes, segundo o Financial Times, mas o veto ocorreu após a decisão do Qatar de impedir as seleções de usar a braçadeira de arco-íris nos jogos do Mundial de Futebol.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.