Os advogados de defesa, citados pela agência France-Presse (AFP), disseram que o tribunal os considerou culpados de incêndio criminoso.

O campo de Moria, na ilha de Lesbos, abrigava mais de 10.000 pessoas e era o maior campo de refugiados da Europa antes de ser destruído por dois incêndios em 08 e 09 setembro de 2020, que não causaram vítimas.

Na sequência dos incêndios, os milhares de migrantes que ali viviam ficaram sem abrigo e vaguearam durante dias na ilha de Lesbos, até ser criado um novo campo de emergência, tendo sido proibidos pelas autoridades de abandonar a zona para evitar uma possível disseminação do coronavírus.

O incêndio foi detetado depois de ter sido anunciado que 35 pessoas do campo tinham registado resultado positivo no teste para deteção da infeção da covid-19 e que iriam ser transferidas para uma área especial de isolamento.

Na ocasião, o porta-voz do Governo grego, Stelios Petsas, disse que o incêndio “não foi acidental”, já que ocorreu imediatamente a seguir a este anúncio e em diferentes partes do campo de refugiados.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.