Em comunicado, a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) refere que "as reclamações continuam a subir desde a declaração do estado de emergência" devido à pandemia de covid-19.

"O meio mais utilizado para reclamar continua a ser o livro de reclamações eletrónico, que registou cerca de 8,2 mil reclamações em julho de 2020 face a 4,5 mil reclamações em julho de 2019 (+85%), o que se terá devido, em larga medida, ao efeito das medidas de reação à pandemia covid-19 e à maior utilização de serviços de comunicações neste período de crise", adianta.

Já os livros de reclamações físicos registaram "cerca de 3,5 mil reclamações em julho de 2020, menos 22% do que em julho de 2019, refletindo ainda o impacto das medidas adotadas em resposta à pandemia", adianta a Anacom, referindo, no entanto, que "a sua utilização tem vindo a recuperar desde o fim do estado de emergência".

O serviço de atendimento do regulador registou "um aumento significativo do número de reclamações", tendo estas passado de 994 em 2019 para 1,7 mil no mês passado, o que corresponde a uma subida de 72%.

A Anacom refere que as reclamações na plataforma 'online' sobre os serviços de comunicações eletrónicas subiram 94% em julho, em termos homólogos, para 5,3 mil.

"Em julho, as reclamações sobre comunicações eletrónicas representaram 65% do total de reclamações registadas" no livro de reclamações eletrónicas.

"Todos os principais operadores viram aumentar muito significativamente as suas reclamações", sendo a Meo (Altice Portugal) "o operador mais reclamado, representando 36% das reclamações no setor", no mês passado.

Os assuntos mais reclamados foram a gestão de contratos pelos utilizadores, o cancelamento de serviços e as avarias. Em julho de 2020 as avarias e a ligação inicial de serviços fixos foram os assuntos em que as reclamações mais aumentaram, adianta o regulador.

Reclamações nos serviços postais sobem 70% em julho para 2,9 mil

As reclamações sobre serviços postais subiram 70% em julho no livro eletrónico, face a igual mês de 2019, para 2,9 mil, divulgou hoje a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom).

Em julho, "as reclamações sobre os serviços postais representaram 35% do total de reclamações registadas" no livro de reclamações eletrónicas, adianta.

"Todos os principais operadores de serviços viram aumentar muito significativamente as suas reclamações", salienta a entidade reguladora do setor.

"Os CTT foram o operador mais reclamado, tendo motivado 77% das reclamações no setor", aponta a Ancom, enquanto que a "DPD foi o operador em que mais aumentaram o número de reclamações neste período face ao verificado em igual período de 2019".

De acordo com a Anacom, os assuntos mais reclamados pelos utilizadores foram o atraso na entrega, o extravio e a entrega na morada errada.

No total, as reclamações sobre serviços de comunicações (eletrónicas e postais) subiram 36% em julho, em termos homólogos, para 13,4 mil, "tendo registado o valor mais alto dos últimos 12 meses".

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.