O regulamento estabelece a proibição de novos estabelecimentos em zonas consideradas de “contenção absoluta”: Bairro Alto/Madragoa, Castelo/Alfama/Mouraria, Colina de Santana, Baixa e eixos Avenida da Liberdade/Avenida da República/Avenida Almirante Reis.

Podem, contudo, ser concedidas autorizações excecionais para novos estabelecimentos “quando digam respeito a operações de reabilitação de edifícios em ruínas ou reabilitação integral de edifícios totalmente devolutos há mais de três anos e quando sejam considerados de especial interesse para a cidade por darem origem a edifícios de uso multifuncional, em que o alojamento local esteja integrado em projetos de âmbito social ou cultural de desenvolvimento local ou integre oferta de arrendamento a preços acessíveis atribuídas no âmbito do Regulamento Municipal do Direito à Habitação”.

De acordo com o regulamento, as áreas de contenção absoluta correspondem às zonas que apresentam “um rácio entre estabelecimentos de alojamento local e número de fogos de habitação igual ou superior a 20%”.

O Regulamento Municipal do Alojamento Local estabelece ainda uma zona de contenção relativa, que passa a ter um registo de alojamento local limitado. Nessa zona estão integradas a Graça e o Bairro da Colónias.

A Assembleia Municipal de Lisboa aprovou o documento na terça-feira por maioria.

A proposta teve os votos contra do PSD, CDS-PP, MPT, PPM e do deputado municipal independente Rodrigo Mello Gonçalves, a abstenção do BE e do deputado independente Raul Santos, e os votos favoráveis das restantes forças políticas.

Em 01 de setembro existiam em Lisboa 22.430 alojamentos locais, com as zonas do Bairro Alto/Madragoa, Castelo/Alfama/Mouraria, Baixa, e as avenidas da Liberdade, República e Almirante Reis a concentrarem mais de metade dos estabelecimentos.

Dos mais de 20 mil, quase 17 mil eram apartamentos e pouco mais de 5.200 estavam classificados como estabelecimento de hospedagem/hostel. Cerca de 200 alojamentos locais estavam instalados em moradias e havia ainda 47 quartos.

De acordo com os números dos Censos de 2011, o número de fogos de habitação na cidade de Lisboa ronda os 325 mil.

A “zona turística homogénea” do Bairro Alto/Madragoa é a ‘recordista’ em termos de alojamentos locais, concentrando mais de 4.500 estabelecimentos, dos quais mais de 3.700 são apartamentos e 738 são estabelecimentos de hospedagem/hostel.

Em segundo lugar na lista aparece a zona da Baixa e eixos Avenida da Liberdade/Avenida da República/Avenida Almirante Reis, com pouco mais de 3.900 alojamentos locais.

Nesta zona está concentrado o maior número de estabelecimentos de hospedagem/hostel, num total de 1.593. Os apartamentos registados não chegam aos 2.400.

A zona do Castelo/Alfama/Mouraria tinha no mês passado pouco mais de 3.600 alojamentos locais e, tal como no Bairro Alto e Madragoa, existem muito mais apartamentos do que ‘hostels’: 3.163 apartamentos e 428 estabelecimentos de hospedagem/hostel.

(Notícia atualizada às 17h09)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.