Com efeito imediato, os bens dos dois oligarcas estão congelados em território britânico e a entrada no país interditada, informou o Ministério dos Negócios Estrangeiros em comunicado, que estima que as fortunas de ambos perfazem cerca de 19 mil milhões de dólares (cerca de 17.170 milhões de euros).

Até ao momento, o Executivo liderado por Boris Johnson impôs sanções económicas a 11 oligarcas russos, além de medidas contra o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergey Lavrov, bem como a vários bancos e empresas, em retaliação à invasão russa da Ucrânia.

“O nosso objetivo é paralisar a economia russa e matar de fome a máquina de guerra de Putin”, disse a ministra dos Negócios Estrangeiros britânica, Lis Truss.

“Sancionar Usmanov e Shuvalov envia uma mensagem clara de que vamos atacar oligarcas e pessoas intimamente associadas ao regime de Putin”, acrescentou.

Usmanov é o maior acionista da USM Holdings Limited, com interesses nos setores da metalurgia, minério, telecomunicações e tecnologia, e é um dos proprietários da companhia telefónica russa MegaFon.

De acordo com o gabinete do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Usmanov é dono da mansão de Beechwood House, no norte de Londres, avaliada em 48 milhões de libras (cerca de 58 milhões de euros), bem como da propriedade palaciana do século XVI Sutton Place, no condado inglês de Surrey.

Já Shuvalov, vice-primeiro-ministro russo entre 2008 e 2018, possui dois apartamentos no centro da capital de Inglaterra avaliados em 11 milhões de libras (13 milhões de euros), segundo o Governo britânico.

As medidas anunciadas hoje pelo Executivo britânico abrangem a proibição de qualquer cidadão e empresa britânica fazer negócios com os oligarcas russos sancionados.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.