O relatório da World Animal Protection — com a colaboração da Change For Animals Association — visa 12 jardins zoológicos e parques aquáticos, de nove países, considerando que estes espaços abusam dos animais para entretenimento.

No documento é possível ler que os animais mantidos nestes sítios de diversão estão sob "sofrimento atroz", referindo, entre outros, o caso do Zoomarine e dos espetáculos que promove, em que "os golfinhos são forçados a fazer acrobacias e a deixar que os treinadores façam surf em cima deles".

"Em vez de atuações públicas para fins comerciais, estes locais deviam eliminar estas atrações nocivas e oferecer em vez delas atividades enriquecedoras para os golfinhos, sem contacto direto com os visitantes e sem truques circenses", defende a organização.

Na mira do relatório, construído a partir de visitas efetuadas entre 2018 e 2019, em que os membros da organização assistiram aos espetáculos, estão parques semelhantes ao Zoomarine na Austrália, Estados Unidos e Singapura, e outros sítios onde há animais em cativeiro, num total de 12 instalações:

  • Dolphin Island (Resorts World Sentosa), Singapura
  • Zoo D’Amneville, França
  • Jungle Cat World, Canadá
  • African Lion Safari, Canadá
  • Cango Wildlife Ranch, África do Sul
  • Sea World, Austrália
  • SeaWorld, San Antonio, Estados Unidos
  • Zoomarine, Portugal
  • Puy du Fou, França
  • Avilon Zoo, Filipinas
  • Mystic Monkeys & Feathers Wildlife Park, África do Sul
  • Ichicara Elephant Kingdom, Japão

"No Zoomarine, em Portugal, os treinadores põem-se em cima do dorso dos golfinhos e surfam-nos na água. O espetáculo também inclui os golfinhos a puxarem um pequeno barco onde estão crianças", refere-se no documento.

A World Animal Protection e da Fundação Change for Animals argumentam que "muitos dos comportamentos apresentados como brincadeiras durante o espetáculo são na verdade manifestações de agressividade ou perturbação". E chega mesmo a apelar aos turistas britânicos a "tomarem uma posição, não visitando nem apoiando estes locais".

O relatório enaltece também que o contacto direto com os visitantes pode sugerir que a interação com os golfinhos "é completamente segura para os humanos". No entanto, como se trata de "animais selvagens incrivelmente fortes, quando perturbados, podem ser um risco para a segurança das pessoas".

Posteriormente, o documento acrescenta que manter estes animais em cativeiro para garantir a sua conservação não é argumento porque a maioria das espécies mantidas nos aquários não está ameaçada. Além de o cativeiro ser sempre "uma severa restrição ao bem-estar" dos animais, o treino para os truques que fazem nos espetáculos consiste em "métodos controversos" como "retirada de comida e estímulo social aos golfinhos para depois os usar como recompensas", acusa a organização.

As organizações referem ainda outros tipos de animais sujeitos a "atividades e exibições cruéis e degradantes", como "leões e tigres a fazerem truques e acrobacias em palco", elefantes obrigados a transportar turistas e primatas "explorados como adereços fotográficos".

Todavia, apesar deste relatório, as organizações salientam que estes locais visados não são os piores do mundo. "Os locais incluídos nestes casos de estudo não representam os piores jardins zoológicos do mundo." Porém, estão ligados à Associação Mundial de Zoológicos e Aquários, cujas diretivas não estão a cumprir, apesar de "aspirarem a ser modernos e favoráveis ao bem-estar animal".

Contactado pela agência Lusa, o Zoomarine declinou fazer qualquer comentário sobre as afirmações da World Animal Protection.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.