De acordo com uma nota do Ministério da Justiça, citada pela agência francesa de notícias, o Governo afirma que “dos incidentes comprovados, alguns são atribuíveis a instrutores russos que apoiam as forças armadas da RCA” na luta contra os rebeldes.

A admissão de envolvimento de militares centro-africanos contrasta com a reação das autoridades em março, quando reagiram a um relatório das Nações Unidas reportando violações de direitos humanos classificando-o de “meras denúncias”.

Para o governo da RCA, os crimes e atos de tortura foram cometidos “principalmente” por rebeldes, mas as autoridades admitem também que “os responsáveis por estes incidentes inserem-se em três categorias, para além das forças de manutenção da paz”, detalhando que a maioria é composta por rebeldes, mas há também elementos das forças de segurança e instrutores russos.

Moscovo reconhece oficialmente a presença de apenas 1.135 “instrutores desarmados”, mas as organizações não governamentais que operam no território afirmam que alguns destes são militares do grupo de segurança privada Wagner.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.