Segundo dados da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho do Brasil (SIT), foram resgatados no total 1.854 menores, 79% dos quais rapazes e 21% raparigas, sendo que mais de metade (54%) tinham entre 10 e 15 anos.

Os dados difundidos revelam ainda que 42% dos adolescentes resgatados tinham 16 a 17 anos e 4% das crianças tinham menos de nove anos.

Foram realizadas 7.688 ações de fiscalização, sendo que os estados com maior número de menores identificados nessas condições foram Pernambuco, Bahia, Ceará, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Minas Gerais.

A pasta da Economia indicou ainda que a maioria dos casos foram detetados em locais de lavagem automóvel, oficinas mecânicas e comércio de pneus, e em locais de venda de bebidas alcoólicas.

A legislação internacional define o trabalho infantil como aquele em que as crianças ou adolescentes são obrigadas a efetuar qualquer tipo de atividade económica, regular, remunerada ou não, que afete o seu bem-estar e o desenvolvimento físico, psíquico, moral e social.

O mapeamento da situação do trabalho infantil mostra que o número de trabalhadores precoces corresponde a 5% da população que tem entre 05 e 17 anos no Brasil, informa o jornal brasileiro Estadão.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.