A responsável falava à Lusa a propósito do anúncio feito pela Academia das Ciências de Lisboa (ACL), que vai apresentar ainda este ano um estudo para aperfeiçoar do AO90, sugerindo nomeadamente o regresso à utilização de algumas consoantes mudas.

“Temos que ver em que termos será feita essa revisão”, advertiu a professora de Português.

Relativamente ao regresso de algumas consoantes mudas, Edviges Ferreira foi clara: “nós não concordamos; é muito mais simples escrever conforme falamos do que estarem a perceber ou a decorar, principalmente depois de ter abolido e estar a escrever de uma determinada forma, estar a voltar atrás”.

A responsável realçou ainda, que observando as contestações ao AO90, “o nível etário das pessoas é bastante elevado, em média, o que significa que há sempre aquelas vozes, que são os ‘Velhos do Restelo’, que tudo que seja mudança, não a veem com bons olhos ”.

“Temos que ver o que está bem e o que está mal”, disse Edviges Antunes, que aconselhou “muito cuidado” numa eventual revisão.

“Poderá haver pequeníssimos acertos, isso sim, concordamos”, disse e adiantou uma sugestão: “há coisas que não se percebem [no atual AO90]; por que razão cor-de-rosa se escreve com hífen e cor de laranja não?”.

A professora referiu-se a esta questão como “uma pequenina aberração, que merece ser revista”.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da ACL, Artur Anselmo, salientou que a instituição não tem qualquer tendência política e que o AO90 é “um problema científico e não político”, que deveria de ser resolvido definitivamente, e que é utópico impor uma grafia igual em todos os países que falam português.

Ana Salgado, coordenadora do novo dicionário da Academia (que deve estar pronto em 2018), disse também que o acordo não estabelece uma ortografia única e inequívoca, o que permite várias interpretações e, por isso, causa instabilidade. O estudo da Academia pretende acabar com essa instabilidade.

Também em declarações à Lusa, a responsável frisou que a ACL não defende a revogação do AO90, mas sim o seu aperfeiçoamento, sendo que o que propõe são ajustes, como de resto a Academia brasileira já fez também.

A Academia vai, por exemplo, recomendar o emprego do hífen em algumas palavras (fará uma listagem), revelou Ana Salgado, ressalvando que o não emprego do hífen “não quer dizer que seja um erro”.

Quanto às consoantes que não se pronunciam, a ACL vai defender que elas só caiam nos casos em que há uma grafia única em Portugal e no Brasil (como na palavra 'ação'). No entanto, em casos como a palavra 'recepção' “a nossa leitura” (da ACL) é que a escrita com o 'p' é “legítima no espaço lusófono”. Na palavra 'optica', a ACL defende também o uso do 'p'.

Ana Salgado lembrou que o AO90 está a ser aplicado no ensino desde 2011 e que muitas crianças poderiam não entender a reposição de consoantes, pelo que o trabalho da Academia é abrir essa possibilidade, uma “via para uniformizar”, e deixar que depois a língua evolua.

A ACL, adianta, não quer impor nada, mas defende a reposição do acento na forma verbal “para” ("pára") e em todas as propostas vai justificar cientificamente as opções.

“Estou preparada para as críticas ao novo estudo”, disse a responsável.

Artur Anselmo também admite todas as críticas e diz que não faz sentido “abrasileirar” a ortografia do português, como não faz sentido moldá-lo à ortografia de qualquer outro país lusófono.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.