"A Rússia nunca violou qualquer convenção internacional", declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, quando questionado pela imprensa sobre as acusações feitas pelo Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky.

As bombas de fósforo são armas incendiárias cuja utilização contra civis é proibida, mas não contra alvos militares, segundo uma convenção assinada em 1980, em Genebra.

O Protocolo III da Convention Internationale sobre as Armes Clássicas (CCAC), assinado em 1980 e que vigora desde dezembro de 1983, estipula que a utilização deste tipo de armas "é proibida em todas as circunstâncias" contra as populações civis.

As armas incendiárias são igualmente interditas contra alvos militares quando se encontram próximos de populações civis.

Mas este protocolo não abrange o fósforo branco quando é utilizado pelas suas propriedades de fumaça ou iluminadoras.

A Rússia e a Ucrânia são considerados signatários deste protocolo III desde 1982 (no tempo da URSS), enquanto os Estados Unidos assinaram sob reserva em 2009 e França, igualmente com reserva, em 2002.

Vários países foram acusados de terem usado armas incendiárias nos últimos anos, como os EUA, em 2004, no Iraque, ou Rússia, em 2018, na Síria.

O Kremlin acusou hoje o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, de querer "desviar a atenção" do programa de armamento químico e biológico norte-americano na Ucrânia, com declarações sobre um possível recurso a armas químicas na Ucrânia pela Rússia.

"Está claro que os americanos tentam desviar a atenção falando de uma alegada ameaça russa, face ao escândalo provocado (...) pelos programas de desenvolvimento de armas químicas e biológicas dos Estados Unidos em vários países, incluindo a Ucrânia", declarou à imprensa o porta-voz do Kremlin.

Joe Biden a prometeu já uma reação da NATO, em caso de utilização de armas químicas pelo Presidente russo, Vladimir Putin, na Ucrânia, palco de uma ofensiva russa desde 24 de fevereiro : "A natureza da resposta dependerá da natureza desta utilização".

O Presidente norte-americano assegurou na segunda-feira estar "claro" que a Rússia considera usar armas químicas e biológicas na Ucrânia, advertindo que tal decisão desencadeará uma resposta ocidental "severa".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.