A companhia aérea de baixo custo informou que vai alterar o seu calendário de voos para o verão de 2020 com o encerramento em março das bases de operações em Nuremberga (Alemanha) e em Skavsta (Suécia), ao mesmo tempo que vai também reduzir a capacidade de algumas das restantes bases.

A Ryanair já tinha indicado no mês passado que existia “um risco real” de não ter todos os aparelhos novos em 2020 e hoje confirmou que só vai receber 10 aviões MAX em vez dos 20 previstos.

Em consequência, a companhia calcula que vai transportar 156 milhões de passageiros no próximo exercício fiscal, que termina em 31 de março de 2021, um milhão abaixo do previsto anteriormente.

“Lamentamos o encerramento destas duas bases e cortes menores na capacidade de outras bases, o que se deve apenas a mais atrasos na entrega dos nossos aviões Boeing MAX”, explicou em comunicado o administrador da Ryanair Eddie Wilson.

O dirigente assegurou que a empresa continua a trabalhar com o fabricante norte-americano e com os aeroportos afetados para “minimizar” os cortes na sua capacidade e as “perdas de empregos”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.