Um em cada quatro subsídios de educação especial foi cortado pela Segurança Social (SS) entre janeiro e abril de 2022. 

Nos primeiros quatro meses deste ano, a SS pagou menos 5264 subsídios de educação especial face ao mesmo período do ano passado - e o abono de família também é outro apoio que tem sido aplicado a cada vez menos pessoas, escreve o Jornal de Notícias (JN) na edição deste domingo.

Há várias crianças com deficiência que necessitam de frequentar ensino especial ou ser acompanhadas com terapias, normalmente efetuadas no privado e pagas contra reembolso aos pais. A ausência de apoio a estas crianças pode significar um agravamento da sua condição bem como uma sobrecarga financeira muito significativa para os pais.

Em entrevista ao JN, a responsável de uma clínica especializada no apoio a estas crianças, mostra preocupação com a interrupção dos tratamentos pela falta de subsídios e critica o Serviço Nacional de Saúde: "Estamos a deparar-nos com indeferimentos em massa de subsídios a crianças com problemas gravíssimos, desde autismo, fenda do palato, perturbações da linguagem, hiperatividade, com toma de medicação diária, sem qualquer justificação por parte das equipas de verificação”, conclui.

Familiares e terapeutas das crianças que têm e/ou deixaram de ter tratamentos vão protestar no próxima dia 27 de junho, pelas 10:30 horas, em frente do centro de verificação de incapacidades da SS, em Valadares (Gaia).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.