A ONU concluiu, através de uma investigação, que as tropas comandadas pelo governo sírio e o grupo terrorista autodenominado Estado Islâmico lançaram ataques na Síria com recurso a armas químicas.

O relatório "expõe claramente que o regime sírio e o Daesh (acrónimo do EI em árabe) cometeram ataques químicos na Síria", adiantou o embaixador-adjunto francês na ONU, Alexis Lamek, esta quarta-feira. 

Segundo o relatório, as tropas de Bashar al-Assad lançaram dois ataques químicos, e o Estado Islâmico recorreu ao uso de gás mostarda.

Foi conseguido identificar três ataques químicos cometidos em 2014 e 2015, mas não se chegou a nenhuma conclusão sobre os outros seis casos que foram apurados durante o ano passado.

O relatório indica que o regime sírio bombardeou com armas químicas duas povoações no noroeste da província de Idleb: Talmenes, em 21 de abril de 2014, e Sarmin, em 16 de março de 2015.

Em ambos os casos, helicópteros da Força Aérea síria lançaram primeiro "um artefacto" e depois uma "substância tóxica", no caso de Sarmin com as "características do cloro".

Segundo a investigação, o grupo Estado Islâmico "foi o único ator com habilidade, capacidade, mobilidade e meios para usar gás mostarda" num ataque contra a cidade de Marea, no norte da província de Aleppo, em 21 de agosto de 2015.

Ministro francês pede que a ONU "assuma responsabilidades"

"A utilização de armas químicas, que as autoridades sírias se comprometeram a proscrever", revela o "papel esmagador do regime de Damasco na deterioração da situação na Síria", declarou o ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Marc Ayrault, num comunicado divulgado nesta quinta-feira.

O Conselho de Segurança da ONU "deve assumir sua responsabilidade", acrescentou Ayrault.

O governo de Al-Assad tem negado reiteradas vezes o uso de armas químicas na Síria, mas o relatório destaca que "há suficiente informação para se chegar às conclusões" sobre os responsáveis pelos ataques nos três casos.

O uso de armas químicas constitui um crime de guerra.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.