Considerada a principal "arma" para vencer a pandemia, a vacinação contra a covid-19 arrancou em 27 de dezembro de 2020 com a primeira dose dada ao médico António Sarmento, com Portugal a ser considerado uma referência mundial pela elevada taxa de pessoas vacinadas.

Ao Jornal de Notícias (JN), o médico infecciologista do Hospital de São João, no Porto, afirma ser "um crente na vacina", mas deixa um alerta: "Mas vacina e mais nada não é suficiente", mas "é uma forma importantíssima de nos protegermos, até desta nova variante".

Assim, é preciso continuar com as outras medidas, como é o caso do uso da máscara, que, para este profissional de saúde, só deve ser retirada "quando isso for indispensável". Todavia, sobre a utilização obrigatória, aponta que "nenhum Governo tem a capacidade de fiscalizar 10 milhões de pessoas".

Recordando que "ninguém se salva sozinho", António Sarmento afirmou ainda ao jornal que a população está "tanto mais protegida quanto mais unida".

Segundo o infecciologista, muitos doentes com covid-19 "estão por vacinar quando chegam ao hospital" de São João, mas "não é por serem militantes antivacina", é essencialmente "por desleixo" e todos "dizem que querem ser vacinados".

Ao longo do último ano, a estratégia de vacinação sofreu várias atualizações, o país debateu-se com falta de vacinas para cumprir as metas previstas, surgiram casos de vacinação indevida na fase inicial e um novo coordenador assumiu a liderança de um plano que passou também a incluir doses de reforço e a imunização de jovens e crianças.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.