Samantha Bloom, portadora de deficiência, chamou repetidamente a polícia devido ao seu filho, James Alex Fields Jr., em 2010 e 2011. Bloom disse aos agentes que o filho tomava medicação para controlar o humor, de acordo com transcrições das chamadas para a linha de emergências.

Fields, de 20 anos, é acusado de fazer investir o seu carro contra um grupo de pessoas que formava uma contramanifestação, no sábado, em Charlottesville, em reação a uma marcha de extrema direita. O ataque com o carro matou Heather Heyer, de 32 anos.

Fields, descrito por um antigo professor de liceu como um admirador de Adolf Hitler e da Alemanha nazi, foi acusado de homicídio em segundo grau.

Registos policiais mostram que Fields foi detido depois de a sua mãe ter denunciado em 2011 que ele se colocou atrás dela segurando uma faca.

Noutro incidente, em 2010, Samantha Bloom disse que o filho lhe bateu na cabeça e a trancou na casa de banho depois de ela lhe dizer para parar de jogar videojogos.

Na segunda-feira, um antigo colega de escola contou à agência Associated Press que numa viagem escolar à Europa em 2015, Fields disse repetidamente que não suportava os franceses e que só tinha participado na viagem para poder visitar “a Pátria” – a Alemanha.

Um antigo professor contou no domingo que Fields era fascinado com o nazismo, idolatrava Hitler e tinha sido identificado, no 9.º ano, pela escola pelas suas “profundas e radicais” convicções sobre raça.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.