O presidente do partido RIR (Reagir, Incluir, Reciclar) entregou no Tribunal Constitucional, em Lisboa, cerca de 9.000 assinaturas de cidadãos eleitores com vista a oficializar a sua candidatura a Belém.

“O meu gabinete é a rua. Não desci de divisão. Há cinco anos, tive 150 mil votos e tenho muito respeito por quem votou em mim e por quem não votou. Pensam que sou um português de segunda, mas também não quero ser português de domingo. Não quero que haja portugueses de primeira e de segunda”, afirmou o calceteiro de 49 anos.

Tino autointitulou-se “candidato do povo e da Póvoa”: “o povo é a gente e a póvoa é a terra, Portugal não tem nove dias nem nove meses, tem nove séculos e tem muito futuro”.

O candidato do RIR sublinhou que o processo de recolha das assinaturas foi “muito duro” devido à pandemia de covid-19 e teve lugar em feiras e estabelecimentos comerciais, nomeadamente junto aos pontos de recolha dos carrinhos de compras aproveitando o facto de haver desinfetante para mãos.

“O PS deu liberdade de voto e há muita gente capaz. Foi uma opção muito feliz do PS porque percebeu que há muitos candidatos que podem ter o apoio de uma grande massa que é a massa socialista. Não tenho dúvidas nenhumas de que há muito socialista que vai votar Tino de Rans”, concluiu, quando questionado sobre o seu antigo partido.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.