Também hoje de manhã haverá uma concentração de trabalhadores frente à sede do banco, em Lisboa, às 12:00, a qual contará com a presença da secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha.

Os trabalhadores do Grupo CGD defendem um aumento justo dos salários, considerando a “proposta de aumento salarial de cerca de 0,4% insultuosa e vergonhosa”, segundo o STEC.

O STEC acusa a administração da CGD de uma postura de “total sobranceria, intransigência e desrespeito para com os trabalhadores”, sublinhando que “esteve desde o início deste processo com total responsabilidade e disponibilidade para negociar, mas não pode aceitar a desconsideração reiterada da gestão sobre os trabalhadores da CGD”.

O sindicato diz que, entre 2020 e os primeiros nove meses de 2021, a CGD teve um resultado próximo dos 1.000 milhões de euros e entregou ao Estado um dividendo extra de 300 milhões de euros, o que – afirma – foi conseguido com o “trabalho, empenho e dedicação de todos os trabalhadores”.

Contudo, acrescenta, “para a administração da CGD esse trabalho vale a miserável recompensa de 0,4% de aumento salarial”, um valor abaixo da inflação prevista para 2021, o que significa que trabalhadores continuarão a perder poder de compra.

Para o STEC, a questão salarial soma-se “a contínua deterioração e degradação das condições de trabalho e ao facto grave e perigoso da CGD não cumprir com o horário de trabalho legalmente estabelecido” e acusa a administração da CGD de não pugnar pelo diálogo e pela paz social na empresa.

Em 07 de dezembro, o STEC convocou uma greve à prestação de trabalho suplementar entre as 00:00 de 13 de dezembro e as 24:00 de 14 de janeiro de 2022.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.