A reivindicação começou há uns meses, com um abaixo-assinado, e hoje culminou num protesto à entrada da estação de metro junto ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, que reuniu dezenas de trabalhadores que empunhavam cartazes a alertar para o problema a Vinci, dona da ANA — Aeroportos de Portugal, com frases como “Baixos salários e ainda pagar estacionamento?” e “Vinci com milhões, para estacionamento nem tostões”.

A concentração contou com trabalhadores de empresas como a TAP, Portway e Groundforce, além de outras empresas que asseguram, por exemplo, a limpeza do aeroporto, e representantes de sindicatos.

“O que está em causa é a falta de estacionamento para os trabalhadores aeroportuários aqui da zona, uma vez que os parques estão saturados e muitos dos trabalhadores que deixavam os carros nos Olivais já não o podem fazer, de forma gratuita por terem sido colocados parquímetros”, explicou à Lusa Cristina Carrilho, coordenadora da Comissão de Trabalhadores da TAP.

Elisabete Martins, da Comissão de Trabalhadores da Portway, adiantou que uma das soluções que pode ser encontrada é usar para estacionamento um terreno em Figo Maduro, mas tal implica que a Vinci assegure o transporte desse local para o aeroporto.

“Mas isso não quer dizer que não estamos abertos a outras soluções, pois há muitos terrenos à volta do aeroporto”, precisou Elisabete Martins.

Para quinta-feira, a comissão de trabalhadores da SPdH (Groundforce) agendou um plenário, nas instalações do refeitório da TAP para encontrar outras soluções para sensibilizar a Vinci para o problema de falta de estacionamento.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.