A acusação centra-se na questão de saber se houve intenção de ocultar a dimensão do caso da manipulação de emissões de motores diesel aos investidores para evitar ou mitigar as consequências financeiras.

O consócio informou pela primeira vez sobre o assunto no dia 22 de setembro de 2015, dias depois de as autoridades dos Estados Unidos terem desvendado o escândalo.

No entanto, antes já havia indícios suficientes do caso, que tinha mesmo sido abordado numa reunião interna, em julho de 2015, na qual estiveram presentes tanto Winterkorn, como o então responsável pelas marcas, Diess.

A acusação apresentada agora em Braunschweig segue-se à que foi formulada em abril passado por manipulação de emissões contra Winterkorn, que deixou o cargo em 2015, e de outras quatro pessoas.

O caso das emissões foi conhecido em setembro de 2015 após investigações nos Estados Unidos, seguindo-se a demissão do presidente do grupo.

A Volkswagen admitiu na altura que milhares de veículos das marcas do grupo com motores diesel de dois litros estavam equipados com um dispositivo para manipular os testes de emissões.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.