"O Tribunal de Recurso do Luxemburgo confirmou, de facto, a sentença do arguido a prisão perpétua", disse Henri Eippers à Lusa, confirmando a notícia avançada pelos meios de comunicação locais.

O português foi condenado em 12 de janeiro do ano passado no Luxemburgo a prisão perpétua pela morte da antiga companheira, tendo apresentado recurso da decisão.

"O senhor Marco Branco da Silva foi condenado a prisão perpétua por este crime, que apresentou contornos de premeditação", disse então o mesmo porta-voz à Lusa.

"Os juízes levaram em conta o homicídio e os contornos de premeditação do crime, tendo chegado à sentença de prisão perpétua", acrescentou Henri Eippers.

O Ministério Público do Luxemburgo pediu nas alegações finais, em 26 de novembro de 2020, a prisão perpétua para Marco Silva por ter assassinado e queimado o corpo da ex-companheira, a portuguesa Ana Lopes, no crime que ocorreu de 15 para 16 de janeiro de 2017, entre o Luxemburgo e França.

Em junho de 2017, a polícia luxemburguesa colocou em prisão preventiva Marco da Silva, ex-companheiro da falecida Ana Lopes, com quem tem uma criança.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.