No início do julgamento, em 19 de abril, o arguido assumiu ter ateado apenas três incêndios na zona de Paredes e Valongo, recusando qualquer envolvimento nos demais, incluindo o que também deflagrou em Valongo e veio a alastrar à serra da Agrela, em Santo Tirso, atingindo dois canis ilegais.

Deste incêndio resultou a morte de sete dezenas e meia de animais e 190 outros foram resgatados com vida e acolhidos por associações, particulares e canis municipais.

O arguido, um eletricista de 29 anos, confessou aos juízes do Porto o seu fascínio pelo fogo, manifestando interesse em receber tratamento para a piromania.

O homem, que um juiz de instrução criminal mandou prender preventivamente, foi detido pela Polícia Judiciária em 05 de agosto de 2020, após ter dado início a um incêndio junto ao kartódromo de Baltar, no concelho de Paredes, conforme revelou então a Polícia Judiciária.

O alegado pirómano "estava consciente dos riscos, mas isso não o impediu de prosseguir numa atividade repetida, deliberada e prolongada no tempo, que apenas se pode explicar por uma atitude de satisfação pelos danos e perigos causados", segundo acusação.

A leitura do acórdão está marcada para as 09:15 no Juízo Central Criminal do Porto, que funciona nas instalações judiciais de São João Novo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.