A mudança de pensamento de Donald Trump vem na sequência de milhares de pedidos de eleitores democratas que se registaram para votar por correio na Florida, um estado visto como crucial para a reeleição de Trump nas eleições agendadas para 03 de novembro.

Os democratas têm atualmente cerca de 1,9 milhões de inscritos naquele estado para votar por correio , quase 600.000 mais do que os 1,3 milhões dos republicanos, segundo o Secretário de Estado da Florida.

Em 2016, os dois campos tinham cerca de 1,3 milhões de inscritos antes das eleições gerais.

“Quer se lhe chame Votar por Correio ou Voto Ausente, na Florida o sistema eleitoral é Seguro e Garantido, Testado e Verdadeiro. O sistema de votação da Florida foi limpo (derrotamos as tentativas de mudança dos Democratas), por isso na Florida encorajo a todos a solicitarem uma votação por correio!”, escreveu Trump no Twitter.

Trump elaborou a razão pela qual apoia a votação por correio na Florida, mas não em qualquer outro lugar.

“Eles têm feito isto durante muitos anos e tornaram-no realmente fantástico”, disse Trump.

“Isto levou anos a fazer”, acrescentou. “Isto não leva semanas ou meses”. No caso do Nevada, eles vão votar em questão de semanas. E não se pode fazer isso”, reforçou.

Na terça-feira, o sindicato de trabalhadores dos serviços postais dos Estados Unidos acusou Donald Trump, de tentar “demonizar” os correios e rejeitou a possibilidade de adiamento das eleições, num comunicado de imprensa enviado à Lusa.

Na nota, o sindicato afirma que “a tentativa contínua [de Donald Trump] de desacreditar o voto por correio e de demonizar os trabalhadores dos correios é um erro e abre um caminho perigoso em direção à ditadura”.

Para o sindicato, que representa 200 mil funcionários e aposentados dos correios dos EUA, os “ataques furiosos” de Donald Trump chegaram a “um novo patamar” com “acusações infundadas de fraude maciça” nos votos por correspondência e possível adiamento das eleições presidenciais, marcadas para 03 de novembro.

“O voto por correio é privado, seguro e fornece acesso às urnas para milhões de eleitores”, lê-se na declaração, que lembra o “orgulho” dos trabalhadores dos correios em “atender às necessidades de voto por correspondência há gerações, inclusive para militares no estrangeiro”.

“Durante a pandemia, qualquer pessoa que acredite no direito de voto deve adotar entusiasticamente a votação por correspondência. Sem isso, a oportunidade de exercer com segurança o direito ao voto vai ser negada a dezenas de milhões de eleitores”, declarou o sindicato.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.