“Em 2020 impedimos a entrada no país a 505.375 migrantes ilegais, contra os 280.374 verificados em 2021”, disse, no decurso da visita, à agência Anadolu.

Kirbiyik destacou o reforço das medidas de controlo na fronteira com o Irão relacionado com uma possível chegada massiva de refugiados afegãos após a saída da NATO do Afeganistão e da tomada do poder pela milícia ultrafundamentalista dos talibãs.

De acordo com o responsável, desde 13 de julho foram destinadas 35 equipas de polícia com um total de 750 agentes das forças especiais, assistidas por drones, para a província de Van, ao mesmo tempo que continua a construção de um muro ao longo de grande parte da fronteira.

No total, o Governo turco planifica proteger 242 dos 543 quilómetros da fronteira com um muro prefabricado formado por blocos de cimento com três metros de altura.

Os 156 quilómetros já construídos localizam-se quase totalmente nas províncias de Igdir e Agri, mais ao norte, enquanto em Van está prevista a construção de 64 quilómetros, embora no momento a maior parte da fronteira esteja protegida apenas com valas, cercas, torres de observação e câmaras, assinalou Kirbiyik.

Há duas semanas, o presidente do gabinete de Van da associação dos direitos humanos turca IHD, Mehmet Karatas, estimou, em declarações à Efe, que entravam diariamente na Turquia através daquela província entre 100 e 200 migrantes, a grande maioria afegãos.

Os números da Direção-Geral de Migrações turca indicam que entre 1 de janeiro e 12 de agosto foram intercetados no território 35 mil afegãos em situação de irregularidade, contra os 50 mil verificados em 2020 e 201 mil em 2019.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse na sexta-feira haver 300 mil migrantes afegãos na Turquia, negando outras estimativas que variam entre os 400 mil e um milhão.

Um total de 116 mil cidadãos afegãos estão registados na Turquia como requerentes de asilo às Nações Unidas.

Os afegãos constituem o segundo maior grupo de refugiados, depois dos 3,7 milhões de sírios, regularizados sob a fórmula de “proteção temporária”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.