Segundo informações preliminares, os bombardeamentos de sexta-feira em Zaporija tiraram a vida a um civil”, escreveu no Telegram Anatoly Kurtev, secretário da câmara municipal da cidade e presidente interino da autarquia, citado por agências ucranianas.

Entretanto, o chefe da administração militar regional de Zaporijia, Oleksandr Staruj, indicou que o bombardeamento noturno deixou sem aquecimento mais de uma centena de edifícios residenciais num dos distritos da cidade.

“As explosões de mísseis causaram danos nas ligações de aquecimento central e a cessação do fornecimento de aquecimento em 123 edifícios de vários andares com mais de 17.000 pessoas”, acrescentou numa mensagem no Telegram.

Acrescentou que os serviços de emergência e o pessoal técnico estão a realizar os trabalhos necessários e que 60 edifícios já estão de novo aquecidos.

Espera-se que o fornecimento de aquecimento seja totalmente restabelecido até às 23:00 horas.

“Quaisquer que sejam os argumentos que os invasores russos usam para se esconderem as suas ações terroristas visam, de facto, criar um desastre humanitário”, disse Staruj.

A administração militar afirmou, numa declaração, que as forças russas bombardearam as infraestruturas civis de um total de 16 povoações na região de Zaporijia nas últimas 24 horas, com 33 relatos de danos em casas e infraestruturas.

Trata-se das povoações de Zaporijia, Zarichne, Chervone, Malynivka, Zaliznychne, Huliaipole, Kamianske, Pavlivka, Mali Shcherbaky, Dorozhnianka, Olhivske, Novoandriivka, Novodanylivka, Poltavka, Mala Tokmachka e Stepnohirsk, acrescenta a declaração publicada no Telegrama citado pela Ukrinform.

O relatório acrescenta que 85 pessoas, incluindo 23 crianças, foram retiradas do território ocupado na sexta-feira.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.