Num comunicado hoje divulgado, o grupo político referiu que a viagem decorrerá no âmbito da “mobilização russa na fronteira ucraniana e das suas ameaças à segurança europeia”.

“Com esta visita, estamos a mostrar o nosso apoio incondicional à Ucrânia e aos nossos parceiros da União Europeia (UE) e da NATO para proteger os nossos aliados e o modo de vida europeu”, disse o eurodeputado alemão Manfred Weber, que irá liderar a delegação.

Além de Weber e Paulo Rangel (vice-presidente do grupo do PPE), integram a delegação os eurodeputados González Pons (Espanha), Rasa Jukneviciene (Lituânia), Vangelis Meimarakis (Grécia), Riho Terras (Estónia) e Michael Gahler (Alemanha).

Em Kiev, vão reunir-se com o presidente do parlamento ucraniano, Ruslan Stefanchuk, o primeiro-ministro do país, Denys Shmyhal, o ministro da Defesa, Oleksii Reznikov, e com representantes das formações políticas conservadoras.

Na Lituânia, a delegação visitará o grupo de combate que a NATO tem destacado no país desde 2017 e participará numa conferência de alto nível sobre segurança na região do Báltico para discutir os acontecimentos atuais.

A reunião em questão contará com a presença da primeira-ministra da Lituânia, Ingrida Simonyte, do ministro dos Negócios Estrangeiros lituano, Gabrielus Landsbergis, do primeiro-ministro letão, Krisjanis Karins, do líder do Partido Conservador Finlandês, Petteri Orpo, e de membros dos parlamentos dos países bálticos.

“O objetivo desta visita é mostrar a solidariedade do Parlamento Europeu com a Ucrânia e o seu povo que quer fazer parte da família europeia. A Ucrânia é um Estado livre e independente que decide sobre o seu próprio futuro”, disse Rasa Jukneviciene.

Na segunda-feira, a delegação do PPE vai falar à imprensa num hotel em Kiev, segundo fontes do partido citadas pela agência espanhola EFE.

O anúncio da visita do PPE surge um dia depois do final da reunião dos ministros da Defesa da NATO, em Bruxelas, na qual os aliados sublinharam que, por enquanto, não veem nenhuma evidência da retirada anunciada das unidades militares russas posicionadas perto das fronteiras da Ucrânia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.