O documento foi hoje publicado no portal oficial de informações jurídicas.

A lei foi apresentada por um grupo de senadores e deputados na terça-feira passada e no dia seguinte a Duma do Estado (Câmara Baixa) e o Conselho da Federação (Senado) aprovaram-na por unanimidade.

A medida confere aos militares participantes numa operação especial o direito a pagamentos mensais e benefícios fiscais, viagens gratuitas nos comboios, assistência medica fora de serviço e acesso a serviços de sanatório e spa.

São também conferidos benefícios para o pagamento de serviços públicos e outras medidas de proteção.

A lei equipara soldados que lutam na Ucrânia com veteranos do Afeganistão e da Síria, entre outros.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou, entre a população civil, pelo menos 1.081 mortos, incluindo 93 crianças, e 1.707 feridos, entre os quais 120 são menores, e provocou a fuga de mais 10 milhões de pessoas, das quais 3,7 milhões foram para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

Segundo as Nações Unidas, cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.