No seu discurso na 18.ª conferência do Movimento dos Países Não Alinhados (MNA), que reúne 115 nações em desenvolvimento, Nicolás Maduro afirmou que as novas estratégias de guerra internacional de alguns países e instituições são “agressões económicas” contra os “setores mais vulneráveis” da população, como crianças, mulheres e idosos.

“O nosso movimento tem de encontrar uma alternativa ao modelo desumano e exclusivo que gera miséria e sofrimento aos nossos povos”, apelou Maduro aos chefes de Estado e de Governo presentes na conferência.

O Presidente da Venezuela apontou que as “guerras económicas” são promovidas “pelas potências imperiais (…) com cortes nos salários e nas pensões e com aumentos brutais das taxas de serviço público e a restrição do direito à educação e à saúde”.

“Trata-se de pacotes que promovem uma violação massiva da soberania dos nossos povos e dos direitos humanos”, descreveu Maduro, que se encontrou à margem da conferência com o Presidente do Irão, Hassan Rohani, para “consolidar laços de cooperação, irmandade e amizade” bilaterais.

Na cimeira, que começou hoje em Baku, capital do Azerbaijão, o também presidente do MNA considerou que, quando “os governos populares, fiéis e leais aos seus povos, decidem colocar (…) a ênfase no homem, então os impérios decadentes impõem bloqueios atrozes, violações do direito internacional e agressões contra o nosso povo”.

Segundo Maduro, a Venezuela “está a superar a guerra económica multiforme”, afirmando que o futuro reserva “crescimento, recuperação e prosperidade”, em referência às sanções económicas impostas por Washington contra o seu Governo.

O líder venezuelano quer responder “a essas violações flagrantes da Carta da ONU e das normas do direito internacional”, que incluem “crimes de agressão por guerras jurídicas e económicas, bem como a promulgação e implementação ilegal de medidas coercivas unilaterais, aplicadas como instrumento de pressão política e chantagem, como punição coletiva, afetando o bem-estar de mais de um terço da população”.

Nicolás Maduro criticou ainda a “crise complexa” do sistema multilateral global, que se manifesta através de “intervenções militares, imposição de políticas de mudança de regime, golpes de Estado, campanhas de desinformação dos ‘media’ e operações secretas, destinadas a desestabilizar membros políticos, económicos e financeiros” do MNA.

Como motivos dessa crise, o líder venezuelano apontou os “interesses geopolíticos”, a “exploração dos recursos naturais” e a “imposição de modelos políticos, económicos, sociais e culturais em violação dos princípios mais elementares das relações internacionais”.

Em conclusão, Maduro afirmou que o MNA é “imprescindível para alcançar a democratização” e consolidar “um novo mundo multipolar, diverso e multicultural, mas acima de tudo livre de qualquer pretensão hegemónica”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.