O ex-primeiro-ministro australiano Tony Abbott afirmou que autoridades da Malásia suspeitaram num primeiro momento que, há quase seis anos, o piloto do voo MH370 da Malaysia Airlines teria provocado deliberadamente a catástrofe aérea com o objetivo de se suicidar.

A 8 de março de 2014, o Boeing 777 da Malaysia Airlines, que levantou voo de Kuala Lumpur com destino a Pequim com 239 passageiros a bordo, desapareceu misteriosamente há seis anos.

Nenhum rasto da aeronave foi encontrado na zona de busca de 120.000 quilómetros quadrados explorada no sul do Oceano Índico.

A busca marítima, a mais importante da história, foi interrompida em janeiro de 2017. As causas do desaparecimento foram objeto de especulações desde o início. Este é considerado o maior mistério da aviação civil moderna.

Num documentário exibido pelo canal Sky News, Tony Abbott é um dos entrevustados e afirma que nos primeiros dias após o desaparecimento recebeu a informação de que a Malásia suspeitava que o comandante tinha feito cair o avião de maneira deliberada.

"Entendi claramente que altos funcionários do governo malaio pensaram no início que tinha sido um assassinato-suicídio do piloto", disse.  "Não vou dizer quem disse o que para quem", completou.

A família e os amigos do piloto, Zaharie Ahmad Shah, sempre negaram essa hipótese.

Muitos familiares das vítimas acusaram a companhia aérea e o governo da Malásia de ocultar informações sobre a tragédia. As autoridades malaias também sempre o negaram.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.